top of page

Indicação de leitura: O pacto entre Hollwood e o nazismo

Ben Urwand é junior fellow (acadêmico de grande destaque e com expecional habilidade intelectual) da Society of Fellows, da Universidade de Havard, nos Estados Unidos. É mestre em cinema e estudos de comunicação pela Universidade dos Estados Unidos da Califórnia. Nasceu em Sidney, Austrália.

Autor do livro PACTO ENTRE HOLLYWOOD E O NAZISMO - COMO O CINEMA AMERICANO COLABOROU COM A ALEMANHA DE HITLER, revela o acordo existente com o governo alemão, em não fazer filmes que atacassem os nazistas ou que condenassem a perseguição aos judeus.


Ben Urwand revela pela primeira vez esse furo, que envolveu conhecidos líderes alemães, como Goebbels, até ícones da época de Hollywood, como o direitor de estúdio Metro-Goldwyn-Mayer (MGM), Louis B. Mayer.


No centro, está o próprio Hitler, obcecado por filmes e reconhecia seu grande poder para moldar a opínião pública.


Em dezembro de 1930, o partido promoveu manifestações contra a projeção em Berlim do filme NADA DE NOVO NO FRONT, o que desencadeou uma malfadada série de eventos e decisões. Com receio de perder acesso ao mercado da Alemanha, todos os estúdios de Hollywood fizeram concessões ao governo alemão e, quando Hitler chegou ao poder em 1933, os estúdios - muitos deles chefiados por judeus - passaram a negociar diretamente com seus representantes.


Urwand mostra que esse arranjo foi mantido durante toda a década de 1930, e que os estúdios se reuniam regularmente com cônsul alemão em Los Angeles para mudar ou cancelar filmes segundo a vontade dele.


A Paramount e a Fox investiram os lucros obtidos com o mercado alemão em noticiários daquele país, enquanto a MGM financiou a produção de armamentos para a Alemanha.


A partir de pesquisa minuciosa de documentos nunca antes examinados, esse livro levanta a cortina de um episódio da história da Hollywood - e dos Estados Unidos - que até agora ficou oculto.


Editora Leya




Comentários


bottom of page